quinta-feira, agosto 02, 2012


Um pouco de como as coisas estavam e de como elas estão hoje

13
Um dia, em meados de 2011, eu acordei e vesti aquela calça jeans que eu não usava há algumas semanas e por alguma razão ela não me serviu mais. Um dia, eu reparei numa fotografia minha e levei um susto: “Quem é essa pessoa gordinha que está na foto?” Eu não podia acreditar que era eu, que braços enormes e que rosto tão cara de bolacha! Eu não sou/era assim!

Passei, então, a me esconder. A me esconder das outras pessoas e a me esconder de mim mesma.

Sim, passei a vestir umas camisas mais folgadas, comprei uma calça 42 de lycra escura e depois uma 44, me olhava no espelho, encolhia a barriga e eu quase acreditava que eu era uma pessoa normal, uma pessoa que não estava acima do peso. Não que seja anormal estar acima do peso, mas não é o que a sociedade espera de mim, nem o que a mídia diz. Então eu dizia: “Não, eu não me importo com esses padrões impostos pela mídia, eu estou bonita assim! Eu nem estou muito gorda.” - e encolhia a barriga ao dizer isso.

E um dia eu vi uma outra foto minha, sem ter feito pose, sem a barriga encolhida e percebi que provavelmente eu não lembrava de encolher a barriga o tempo todo.

Então, notei que as pessoas estavam vendo que eu não estava magra. E passei a culpar os “2 kilinhos a mais” por tudo na minha vida. Se eu estava desempregada, culpava o excesso de peso por não ser chamada após as entrevistas. Se estava solteira, culpava o sobrepeso por estar “encalhada”. Sim, as minhas amigas estavam namorando e até se casando. E eu, eu estava encalhada. E pensava “quem vai dar bola para uma gorda?”

Então eu chorava comendo uma barra de chocolate ao leite, eu devorava um pacote de bolacha Bono. Não dormia mais à noite. Passei a ter pena de mim.

Aí, um dia resolvi começar aquele regime na segunda-feira: dieta da sopa, dieta da usp, dieta da lua, ração humana e etc. E o regime não chegava nem na sexta-feira. Um dia resolvi começar a caminhar, mas desisti antes mesmo de trocar de roupa e colocar o tênis. E pensei: “Magra? Quem se importa em ser magra? Isso é besteira.”

Mas antes fosse assim, antes eu realmente pensasse assim e conseguisse ser feliz, me aceitar e me perdoar por ser “gordinha.”

Um dia percebi que quem me deixava triste era eu mesma, era o meu complexo. As pessoas talvez não fossem tão más, tão metidas, tão inquisidoras. Era eu que me fechava e as desencorajava a chegarem perto de mim.

Aí um dia resolvi ir ao cabeleireiro, comprei umas roupas novas, tudo G, mas ainda faltava alguma coisa. Sim, faltava o meu corpo. Então, finalmente, admiti que eu me importava sim com uma boa forma. Resolvi dar o braço a torcer pelo emagrecimento e admiti: “Sim, eu quero ser magra! Sim, para mim isso não é bobagem. Eu realmente me importo com a minha aparência.”

Dane-se esse discurso de que o que importa é a beleza interior. Isso pode ser verdade, mas eu não estava feliz assim. Até porque eu tinha tanto medo de ser rejeitada que eu nem mostrava a minha beleza interna.

Então, agora que eu estava resolvida, a coisa foi pra frente!

Escolhi uma reeducação alimentar e uma atividade física. Fui ao supermercado, comprei coisas light e passei a ficar vidrada por balança. Não podia ver uma que eu já subia. De tanto subir, emagreci 1 kg só desse “step”, mas subir tanto na balança não era bom. Cada dia dava um peso diferente e eu ficava enlouquecida com isso. Mas, eu não desisti.

Eu tropecei, caí, enfiei o pé na jaca, mas não desisti. Estava sempre disposta a começar de novo.

Um dia, fui naquela loja de departamento, levei tudo G para o provador. Aí experimentei e vi que tudo ficou folgado. Eu não sabia mais que tamanho de roupa estava usando. Então, resolvi ir numa loja mais cara “só para experimentar as roupas”, e eu vi que cabia numa roupa M, cabia até em algumas P. Uma roupa 38 me serviu, não todas as 38, mas algumas delas. Algumas 40 ficaram largas, 42 nem se fala. Então, eu ainda não acreditava nessa mudança de manequim. Mas pensei “Vale a pena! Usar uma roupa 38, vale a pena!”

A sociedade é preconceituosa sim, é cruel ás vezes. Mas eu era muito mais cruel comigo mesma, porque eu me importava com isso. Eu deixava que as pessoas me chamassem de gorda. Eu me deixava ser gorda. Eu me fechei por causa disso.

Eu não permiti que o príncipe encantado me despertasse do sono profundo em que me encontrava. Era eu que não queria acordar, era eu que me bloqueava.

E finalmente, depois de alguns meses de dedicação total, eu vi outra foto e pensei: “Quem é essa moça magra na foto? Será que tiraram foto da pessoa errada? Não pode ser! Essa pessoa se parece comigo, mas esse corpo não é meu!”

E eu senti e ainda sinto uma enorme dificuldade em associar a minha nova imagem com a imagem antiga que eu tinha de mim. Eu olho para o espelho e ainda enxergo uma pessoa enorme. Quando passo ao lado de uma vitrine e vejo um reflexo magro, penso: “Esse é meu novo corpo, mesmo?! É real esse braço fino?”

Então, agora eu me cuido mais, cuido do meu cabelo, da minha pele, das minhas unhas e me sinto toda poderosa. E visto a roupa 38, a blusa PP, P ou M (depende do modelo) e saio na rua. E parece que estou andando em câmera lenta. E até escuto uns “Fiu, fiu.” E sinto vergonha, mas pelo menos é melhor do que passar despercebida ou ser ponto de referência: “Você tá vendo aquela branquinha gorda ali? Você vira lá na esquina em que ela está.”

Mas o importante é que estou no caminho e no ritmo certo. Não quero mais andar para trás. Talvez eu não esteja acostumada a comprar roupas menores, talvez eu ainda não me enxergue mais magra. Mas o importante é que eu comecei a mudança e ter começado foi decisivo para a metade de todas as outras ações.

P.S. Esse texto eu encontrei no Blog da Elizandra, o autor é desconhecido. Confesso que chorei quando o li. Eu o adaptei pra minha história.

13 comentários:

Nanda Silva disse...

menina que post, amei...relamente vc disse tudo, e concordo com tudo. Parabéns por ter conseguido e foco e sabedoria para permanecer na luta. Parabéns.bjim

Equilíbrio! disse...

amei a sua história. parabéns pela força e pela determinação...bjs...
http://www.comomelhorlogoemagreco.blogspot.com.br/

Roh Jardim disse...

Menina que tudo
Parabéns pela conquista
bju

Thaís disse...

É Melllll! Que coisa boa, não é mesmo? Sabe que eu também me sinto assim? É uma coisa estranha às vezes.... quando fui comprar minha primeira nova calça jeans a moça perguntou "qual teu tamanho?", aí eu disse... "qual o maior que vc tem aí? (sabendo que não tinha números enormes, claro)"... e ela "credo (ou algo assim), o teu deve ser 40" ... aí eu falei... hahah não, não, pega uma 42! E era 42 mesmo! Hoje já estou conseguindo entrar em algumas 40! uhuuuul!

Claudio Luiz disse...

Oi Lauren,
A Karen me falou sobre o blog. Resolvi deixar minha visão masculina sobre o assunto.
Faz um tempo que estou controlando o peso, mas não consigo baixá-lo. Cheguei a 96kg uma vez, mas consegui voltar para 90 kg. Na minha foto de formatura eu parecia o Mocotó(André Marques). Contudo, meu peso deveria ser 78kg. O problema é ter 78kg, vou ficar um esqueleto. Acho que 83 kg de músculo tá legal.

Alimentação é a chave para manter e perder peso, mas adoto a prática constante de atividade física. Infelizmente na nossa cultura o esporte só está presente na vida colegial.
Vou ler mais um pouco do seu blog.

Parabéns pelas conquistas!
http://grafiteeink.blogspot.com.br/

Claudio Luiz disse...

Oi Lauren,
A Karen me falou sobre o blog. Resolvi deixar minha visão masculina sobre o assunto.
Faz um tempo que estou controlando o peso, mas não consigo baixá-lo. Cheguei a 96kg uma vez, mas consegui voltar para 90 kg. Na minha foto de formatura eu parecia o Mocotó(André Marques). Contudo, meu peso deveria ser 78kg. O problema é ter 78kg, vou ficar um esqueleto. Acho que 83 kg de músculo tá legal.

Alimentação é a chave para manter e perder peso, mas adoto a prática constante de atividade física. Infelizmente na nossa cultura o esporte só está presente na vida colegial.
Vou ler mais um pouco do seu blog.

Parabéns pelas conquistas!
http://grafiteeink.blogspot.com.br/

Angy disse...

Oi Melzinha!
Acho que a maioria que passa pela obesidade tem histórias muito parecidas como esta que vc postou, sempre leio e me indentifico com todas! ^_^

Boa festa de casamento para vc e se preocupe com a balança após passar a festa... esses dias de eventos nem sempre conseguimos resistir a tantas tentações, então ao invés de resistir, procurar é não extrapolar né? ^_^
Bjs

Luh disse...

Garota!!! arrasou. sabe que eu ainda não havia visto sua ultima foto de junho... vc esta MAGÉRRIMA! #parabéns Lindona!

Hítalla Fernandes disse...

Qta sinceridade neste texto.

Mell, mesmo com pouco contato eu estou muito feliz com seu empenho e resultado.
Sem duvida nenhuma, isso não foi feito pra agradar ninguém menos importante que você mesma.
Não há Mell, melhor coisa do que nos amar primeiro; não um amor doentio e narcisista, mas um amor que nos faz bem, nos motiva e nos faz ver que somos sim importantes e que não estamos invisíveis.
Muito desse texto se parece comigo, talvez não o fato de um dia ter sido gordinha, mas a parte psicológica forte que envolve tudo isso...
Hoje eu sou uma ótima companhia pra mim, e acredite, gostar e estar bem conosco mesmo abre as portas para que pessoas valorosas se aproximem da gente.

Torço muito para que vc siga em frente e que o passado só lhe sirva de mais motivação.

Parabéns!!!
Bjo grande

Ju disse...

Oi querida, vim conhecer seu blog. tbm estou na batalha contra balança. posso contar com sua ajuda? estou te seguindo! bjs

Emagrecimento Sem Segredos disse...

Que postagem legal! É isso mesmo. sempre devemos andar para frente. Nunca para trás.

Essa é a minha primeira visita aqui. Vou te acompanhar.

bjos


Valber

Riveria disse...

adorei o texto!!
preciso começar a mudar a minha mentalidade e começar a fazer como você, por que tô chateada com esse bucho e a aparencia estranha que estou ganhando...você está muito linda!!

=***

Barbie Toda Boa disse...

Meeel! Caramba li seu blog todinho neste final de semana, que força de vontade! Você está sendo minha inspiração. Resolvi criar um blog hoje para me ajudar a ver como vai ser meu progresso.
Um beijão e parabéns pelo seu blog.